High-voltage electrical grid inside the territory

[map layers='TIs-BRA.min_.json UC-sustentavel.min_.json UC-integral.min_.json' initial_lat='-10.65453' initial_lng='-38.63823' initial_zoom='11']

The Kiriri people are located in the municipality of Banzaê, Bahia, which encompasses both the agreste [a narrow zone of sparse vegetation between the coastal forest (zona de mata)] and the northeastern sertão [the semi-arid interior]. It has a population of approximately 2,498 inhabitants in an area of around 12,320 hectares. This population is divided between the central portion  of the Mirandela village and other communities.  They all belong to the Kiriri territory and each has its own leaders (caciques [chiefs], pajés [shamans], and advisors) and its internal organization.

One of the conflicts that the Kiriri currently face, is with the Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba), the state electrical utility, because of a 69 kilometer transmission line between Ribeira do Pombal and Euclides da Cunha that passes through Kiriri land. A suit filed by the Public Prosecutor’s Office asserts that the 32 kilometers of the power line on their land causes innumerable socioeconomic and environmental damages to the Kiriri people. Restrictions on soil use are among the main environmental damages, whereas, in terms of cultural damage, a major issue is the constant interference caused by the entrance of strangers to maintain the electrical lines.

According to one of the elder leaders I spoke to, who has followed the process since 2001, Indigenous rights matter little to Coelba, which never honored its affirmations. Many meetings were held and preliminary deals made in the presence of the interested parties, but no agreements were fulfilled and no compensation was paid. To say nothing of the fact that many Indigenous people have damaged their credit ratings for refusing to pay for their energy consumption.

It is very sad that, after all these years, nothing has changed.  How many lives have passed without realizing the dream of having our rights protected?  Many elder leaders, who fought for the land, are today no longer with their people and never had the chance to see everything resolved. For the Kiriri, land is sacred. For a long time people have tried many ways to silence us, by retaking our lands, and sadly we lost relatives in the fight for the land.  These were moments of profound sadness. However, we have not forgotten.  Since childhood, we have learned from the elders the importance of land and how much our ancestors suffered by seeing our land massacred by non-Indigenous people. Nature is everything to us, because our survival depends on it.  Today, even with so many things happening to threaten our rights, we feel happy because we can walk on our land, keeping our customs and traditions alive.

Povo(s) impactado(s)Kiriri
Terra(s) Indígena(s) impactada(s)Kiriri
EstadoBA
RegiãoNorte
MunicípioBanzaê
Período da violaçãoO procedimento administrativo que apurou o caso foi instaurado em 2001, após denúncia dos Kiriri sobre os prejuízos provocados pela linha de transmissão e pela rede de distribuição.
Tipo(s) de população Rural
Fonte(s) das informações Site
WhatsApp
Causa(s) da violação Conflito por terra
Infraestrutura
Outras causasTransmissão de rede elétrica
Matérias específicas Eletricidade
Terra
Empresa(s) e entidade(s) do governoCompanhia de Eletricidade da Bahia (Coelba)
Atores governamentais relevantesThe National Indian Foundation (Funai), the Federal Public Prosecutor's Office
Tipo(s) de financiamento Nacional
Internacional
Privado
O estado da mobilização diante da violação Médio (protestos de rua, mobilização visível)
Quando teve início a mobilização?Desde o início das negociações, a comunidade resistiu como pôde. Acionou os órgãos e aliados para que as negociações ocorressem sem acarretar maiores perdas para a comunidade.
Grupo(s) que se mobiliza(m) Governo local/ partidos políticos
Grupos indígenas ou comunidades tradicionais
Mulheres
Forma(s) de mobilizaçãoMuitos da comunidade se recusaram a serem cobrados pelo consumo de energia
Impactos ambientaisVisíveis
Impactos na saúdePotenciais
Impactos socioeconômicosVisíveis
Avanços positivos no processo de violaçãoAfter the violation, the community began to follow more closely and circumspectly companies that showed an interest in the areas around the land.
Avanços negativos no processo de violaçãoThe fact that the violation continues, promotes insecurity in the community, both in relation to the agencies involved and to the efficacy of the judicial system.
Data de preenchimento04/12/2019

Tatiane Otavia de Jesus

Meu nome é Tatiane Otavia de Jesus, sou indígena da etnia Kiriri e nasci no dia 4 de agosto de 1986. Atualmente, moro na aldeia Marcação, no município de Banzaê (Bahia). Quando criança, morei com meus avós. O fato de meu avô ser uma grande liderança e minha avó, uma mulher da luta, e de eu sempre estar junto a eles, em qualquer movimento, de certa forma me faz entender as coisas de uma maneira diferente. Meus avós sempre foram o meu espelho de garra e determinação de luta. Mesmo sem terem estudado, ambos tinham uma sabedoria incrível. Em função de tudo que meu povo passou na luta, naquela época, era difícil se manter estudando. Mas o sonho de me formar nunca foi esquecido e nunca desisti de estudar. Meus avós sempre falavam que o melhor caminho seria o estudo. Em 2005, passei a trabalhar na escola da minha aldeia, na secretaria; em 2010, resolvi estudar Pedagogia, e concluí a faculdade em 2013. Em seguida, cursei pós-graduação em Psicopedagogia, por imaginar que isso contribuiria para as atividades em sala de aula – eu já estava trabalhando com uma turma. De fato, essa pós-graduação foi boa para mim. Em 2018, fui aprovada no vestibular para a Licenciatura Intercultural em Educação Escolar Indígena (Liceei) da Universidade do Estado da Bahia (Uneb). Atualmente, não estou em sala de aula, mas continuo estudando, afinal, sabemos que o conhecimento sempre será bem-vindo. Hoje, participo do projeto Mapeamento das Violações aos Direitos Indígenas no Nordeste do Brasil, o que tem sido de grande importância para mim, pois essa atuação me trouxe novos conhecimentos.

Aparecido Silva da França

Meu nome é Aparecido Silva da França, sou filho de Ivanilde Silva e Epifânio da França. Nasci no ano de 1990, tenho 30 anos de idade e sou casado com Ana Paula Santos Reis, com quem tenho dois filhos. Moro na aldeia Cajazeira, na Terra Indígena (TI) Kiriri, em Banzaê (Bahia). Trabalho como agricultor, junto com meus pais. E sempre me interessei pela base educacional de minha comunidade e de meu povo. Aos 17 anos, recebi a proposta de atuar como secretário voluntário na então Escola Indígena Índio Feliz (hoje, Colégio Estadual Indígena Kiriri Índio Feliz - CEIKIF), posição em que fiquei até os 19. Em 2012, terminei o ensino médio, como parte da primeira turma a concluir esse nível no território kiriri. Em 2019, passei no concurso para atuar como professor do ensino fundamental II e do ensino médio no CEIKIF. No mesmo ano, fui aprovado no vestibular da Licenciatura Intercultural em Educação Escolar Indígena (Liceei) da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), em Paulo Afonso. Hoje, além de cursar a Liceei, participo do projeto Mapeamento das Violações aos Direitos Indígenas no Nordeste do Brasil, que tem sido uma oportunidade de fazer parte de um grupo muito significativo para os povos tradicionais.